MORBIDADE HOSPITALAR POR DENGUE HEMORRÁGICA NO BRASIL (2010-2014)

Matheus de Oliveira Medeiros, Leandro Januário de Lima, Francisco José Ferreira Filho, Maria do Carmo Andrade Duarte de Farias

Resumo


A Dengue é uma doença infecciosa muito incidente em países tropicais, e que no Brasil tem se comportado como um dos principais problemas da ordem da saúde pública. Apresentando-se clinicamente como uma síndrome febril, o quadro pode ser leve, caracterizando a forma clássica da doença, ou severo, quando associado ao sangramento espontâneo de mucosas como olhos e gengiva. O objetivo deste estudo foi descrever o perfil de morbidade hospitalar por febre hemorrágica da dengue nas macrorregiões brasileiras entre 2010 e 2014. Desenvolveu-se uma pesquisa epidemiológica do tipo Ecológica, descritiva, de cunho quantitativo. Os dados sobre as internações por febre hemorrágica da dengue foram obtidos no Sistema de Informações Hospitalares do SUS. As variáveis analisadas foram número de internações, ano de processamento, região da internação, sexo, cor/raça, caráter do atendimento, regime de atendimento e faixa etária. A região Nordeste do país teve as maiores prevalência tanto no início quanto ao fim da série temporal; a região Norte apresentou menos casos ao longo dos cinco anos. Nas unidades federativas, o Rio Grande do Sul teve a maior redução percentual, superior a 98%, enquanto o Ceará, no outro extremo, teve redução inferior a 30%. Nas variáveis sociodemográficas, o perfil de pacientes com maior prevalência hospitalar foi do sexo feminino, atendidos em regime de urgência, em instituições públicas, de cor parda. Os adultos entre 20 e 29 anos foram a faixa etária mais hospitalizada no período.


Texto completo:

Medeiros et al.

Referências


ANG, Li Wei et al. A 15-year review of dengue hospitalizations in Singapore: Reducing admissions without adverse consequences, 2003 to 2017. Plos Neglected Tropical Diseases, [S. l.], v. 13, n. 5, e0007389, maio 2019.

BACON, J. et al. Febre Hemorrágica. Revista Médica de Minas Gerais, v.18, p.80-84, 2008.

BADREDDINE, Samar et al. Dengue fever. Clinical features of 567 consecutive patients admitted to a tertiary care center in Saudi Arabia. Saudi Medical Journal, [S. l.], v. 38, n. 10, p.1025-1033, out. 2017.

BONITA, R.; BEAGLEHOLE, R.; KJELLSTRÖM, T. Epidemiologia Básica. 2. ed. GEN: Santos, 2010.

BORGES, D. X. M. et al. Dengue hemorrágica: características e importância do diagnóstico precoce. Temas em Saúde, João Pessoa, v. 16, n. 2, p.347-360, 2016.

BRASIL, Ministério da Saúde. Dengue: aspectos epidemiológicos, diagnóstico e tratamento. Série A. Normas e Manuais Técnicos. Fundação Nacional de Saúde, Brasília, n. 176, p 1-20, 2002.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Diretoria Técnica de Gestão. Dengue: diagnóstico e manejo clínico: adulto e criança. 4. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2013.

GIBSON, Gerusa et al. From primary care to hospitalization: clinical warning signs of severe dengue fever in children and adolescents during an outbreak in Rio de Janeiro, Brazil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 29, n. 1, p. 82-90, jan. 2013.

GIRALDO, Diana et al. Characteristics of children hospitalized with dengue fever in an outbreak in Rio de Janeiro, Brazil. Transactions Of The Royal Society Of Tropical Medicine And Hygiene, [S. l.], v. 105, n. 10, p.601-603, out. 2011.

HO, Tzong-shiann et al. Clinical and laboratory predictive markers for acute dengue infection. Journal Of Biomedical Science, [S. l.], v. 20, p.75-82, 2013.

LOW, Jenny G. H. et al. The Early Clinical Features of Dengue in Adults: Challenges for Early Clinical Diagnosis. Plos Neglected Tropical Diseases, [S. l.], v. 5, n. 5, e1191, maio 2011.

MASERA, D. C. et al. Febre hemorrágica da dengue: Aspectos clínicos, epidemiológicos e laboratoriais de uma arbovirose. Revista Conhecimento Online, Rio Grande do Sul, v. 2, n. 3, p.1-22, set. 2011

MORAES, Giselle Hentzy; DUARTE, Elisabeth Carmen; DUARTE, Eliane de Fátima. Determinants of Mortality from Severe Dengue in Brazil: A Population-Based Case-Control Study. The American Journal Of Tropical Medicine And Hygiene, [S. l.], v. 88, n. 4, p.670-676, abr. 2013.

OLIVEIRA, D. A. et al. Febre hemorrágica pelo vírus da dengue. Revista de Saúde, Paraná, v. 4, 2011.

PRASAD, Durga; BHRIGUVANSHI, Arpita. Clinical Profile, Liver Dysfunction and Outcome of Dengue Infection in Children. The Pediatric Infectious Disease Journal, [S. l.], p.1-5, dez. 2019.

SAM, Sing-sin et al. Review of Dengue Hemorrhagic Fever Fatal Cases Seen Among Adults: A Retrospective Study. Plos Neglected Tropical Diseases, [S. l.], v. 7, n. 5, e2194, maio 2013.

SILVA, Natal Santos da et al. Clinical, laboratory, and demographic determinants of hospitalization due to dengue in 7613 patients: A retrospective study based on hierarchical models. Acta Tropica, [S. l.], v. 177, p.25-31, jan. 2018.

SINGHI, Sunit; KISSOON, Niranjan; BANSAL, Arun. Dengue e dengue hemorrágico: aspectos do manejo na unidade de terapia intensiva. Sociedade Brasileira de Pediatria, Porto Alegre, v. 83, n. 2, maio 2007.

XU, Zhiwei et al. Spatiotemporal patterns and climatic drivers of severe dengue in Thailand. Science Of The Total Environment, [S. l.], v. 656, p.889-901, mar. 2019.




DOI: https://doi.org/10.1000/riec.v3i2.139

DOI (Medeiros et al.): https://doi.org/10.1000/riec.v3i2.139.g121

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista Interdisciplinar Encontro das Ciências - RIEC | ISSN: 2595-0959 |

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Interdisciplinar Encontro das Ciências - RIEC | ISSN: 2595-0959 |

Centro Universitário Vale do Salgado

Rua Monsenhor Frota, 690

Bairro Centro | CEP: 63430-000 | Brasil, Icó-Ceará

Telefone: +55 88 3561-2760

E-mail: riec@fvs.edu.br