LAZER E EDUCAÇÃO FISICA ADAPTADA DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL ATRAVÉS DA NATAÇÃO

Francisco Renato Silva Ferreira, Vanessa de Carvalho Nilo Bitu, Miguel Melo Ifadireó, Yohana Maria Monteiro Augusto de Alencar, Tássia Lobato Pinheiro Pinheiro

Resumo


O comportamento recreativo de crianças e adolescentes com deficiência intelectual no campo da aprendizagem através do desporto aquático é objeto da presente investigação. É disso que se tratará o presente artigo: por um lado, objetiva contribuir, mesmo que sistematicamente, com a edificação da emergente discussão, buscando assim, diminuir o silêncio que cerca a temática, ampliando possibilidades para que novas investigações possam ser promovidas; por outro lado, levantará algumas reflexões sobre as vantagens para as crianças e os adolescentes com deficiência intelectual através de esportes aquáticos. A metodologia utilizada na pesquisa é eminentemente qualitativa, através do procedimento descritivoanalítico com uso da revisão de literatura sobre lazer, tempo livre e recreação através de práticas esportivas de educação adaptada não-formal com crianças e adolescentes com deficiência. Os achados da pesquisa nos permitem sintetizar que o conhecimento de que a inclusão de pessoas com deficiência ainda não está implementada em todas as áreas da sociedade e ainda não pode ser alcançada, é um mito que precisa ser desconstruído; segundo, existem grande confusão na literatura especifica sobre os conceitos que fazem parte do cotidiano do profissional de educação física, seja ele bacharel ou licenciado. Verificamos que os termos “lazer, tempo livre e recreação”, bem como “deficiência intelectual e mental” ainda hoje causam grande contradição na literatura específica existente.

Texto completo:

Ferreira et al.

Referências


AQUINO, Cássio Adriano Braz; MARTINS, José Clerton de Oliveira. Ócio, lazer e tempo livre na sociedade do consumo e do trabalho. Revista Mal-estar e Subjetividade – Fortaleza – Vol. VII – Nº 2 – p.479-500 – set/2007.

ARCHIV FÜR WOHLFAHRTSPFLEGE BERLIN (Hrsg.): Die Wohlfahrtseinrichtungen in der Stadt und Gemeinde Berlin (Graubuch). Ein Auskunfts- und Handbuch. Berlin 1927.

AZEVEDO, Jorge Manuel Gomes de; GUTIERRES FILHO, Paulo José Barbosa. Psicomotricidade: abordagens emergentes. Barueri/SP: Manole, 2012.

AZEVEDO, Edson Souza de; SHIGUNOV, Vitor. Reflexões sobre as abordagens pedagógicas em Educação Física. CDS/ Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2001.

BECKER, Michele Michein; RIESGO, Rudimar dos Santos. Aspectos Neurobiológicos dos Transtornos do Espectro Autista, p. 357-367. In: ROTTA, Newra Tellechea; OHLWEILER, Lygia; RIESCO, Rudimar dos Santos (Org.). Transtornos da Aprendizagem. Abordagem Neurobiológica e Multidisciplinar. 2. Ed. Porto Alegre: Artmed, 2016.

BOGDAN, R. C.; BIKLEN, S. K. Investigação Qualitativa em educação: uma introdução á teoria e aos métodos. Tradutores: Maria João Alvarez, Sara Bahia dos Santos e Telmo Mourinho Baptista. Porto - Portugal: Porto Editora, 1994.

BRASIL, Ministério da Educação e do Desporto, Secretaria de Educação Especial. Subsídios para formulação da política nacional de educação especial. Brasília, 1993.

______. Ministério da Educação. Lei nº 9.394, de 20 dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, 23 dez. 1996.

______. Decreto nº 5.296, de 2 de dezembro 2004. Regulamenta as Leis n. 10.048, de 8 de novembro de 2000, que dita prioridade de atendimento das pessoas que especifica, e 10.098, de 19 de dezembro de 2000, que estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. 2004.

BURKHARDT, Roberto; ESCOBAR, Michele Ortega. Natação para portadores de deficiência. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, 1985.

CAMARGO, Luiz Octávio de Lima. O que é Lazer?. 4ª. Reimpr., 3. Ed. São Paulo: Brasiliense, 2008 (Coleção primeiros passos: 172).

CARLAN, Paulo; KUNZ, Elenor; FENSTERSEIFER, Paulo Evaldo O esporte como conteúdo da Educação Física escolar: estudo de caso de uma prática pedagógica "inovadora". Movimento, vol. 18, núm. 4, octubre-diciembre, 2012, pp. 55-75. Escola de Educação Física Rio Grande do Sul, Brasil.

CHICON, José Francisco; RODRIGUES, Graciele Massoli (Org.). Educação Física e os Desafios da Inclusão. Vitória, ES: EDUFES, 2013.

CIDADE, Ruth Eugênia Amarante; FREITAS, Patrícia Silvestre de. Introdução à educação física e ao desporto para pessoas portadoras de deficiência. Curitiba: UFPR, 2002.

CLAUSEN, Wolfgang. Körperliche Erbkrankheiten. Ihre Pathologie und Differentialdiagnose: Ein Leitfaden für Studierende und Ärzte mit besonderer Berücksichtigung der praktischen Erbpflege. Leipzig 1940.

COSTA, Alberto Martins da; SOUSA, Sônia Bertoni. Educação Física e Esporte Adaptado: História, avanços e retrocessos em relação aos princípios da integração/ inclusão e perspectivas para o século XXI. In: Rev. Bras. Cienc. Esporte, Campinas, v. 25, n. 3, p. 27-42, maio 2004.

DINIZ, Débora. O que é deficiência. São Paulo: Brasiliense, 2007. (Coleção Primeiros Passos).

DRESDNER, Irma. Welchen Einfluß hat Ihre Körperbehinderung auf ihre seelische Entwicklung ausgeübt? In: Die invalide Frau. Organ des Internationalen Bundes invalider Frauen. KB Verlag: Basel, 1932.

FRANÇA, Antonieta; NUNES, Clarinda; MAIA, Deolinda; ALVES, Fátima. Abordagem Pedagógico-Educativa: um Percurso de Educação para a Deficiência Intelectual. Revista Diversidades, vol. 22., n 10, out.-dez., 2008, p. 08-13, Madeira/ Portugal.

GADIA, Carlos; ROTTA, Newra Tellechea. Aspectos clínicos do transtorno do espectro autista. p. 369-377. In: ROTTA, Newra Tellechea; OHLWEILER, Lygia; RIESCO, Rudimar dos Santos (Org.). Transtornos da Aprendizagem. Abordagem Neurobiológica e Multidisciplinar. 2. Ed. Porto Alegre: Artmed, 2016.

GARGHETTI, Francine Cristine; MEDEIROS, José Gonçalves; NUERNBERG, Adriano Henrique. Breve história da deficiência intelectual. Revista Electrónica de Investigación y Docencia (REID), 10, Julio, 2013, 101-116. Disponível em: http://www.revistareid.net/revista/n10/REID10art6.pdf.

GOMES, Cristina Marques. Pesquisa Científica em Lazer no Brasil – Bases Documentais e Teóricas. São Paulo: ECA / USP (Dissertação de Mestrado), 2004.

GREGUOL, Márcia. Natação adaptada: em busca do movimento com autonomia. Barueri: Manole, 2010.

GURGEL, Henrique. Manual dos Direitos da Pessoa com Deficiência do Ceará. 1ª ed. Fortaleza: Universidade de Fortaleza, 2009.

GUTIERRES FILHO, Paulo José Barbosa. A psicomotricidade em meio aquático. pp. 72-85. In: AZEVEDO, Jorge Manuel Gomes de; GUTIERRES FILHO, Paulo José Barbosa. Psicomotricidade: abordagens emergentes. Barueri/SP: Manole, 2012.

LEVIN, Esteban. A clínica psicomotora: o corpo na linguagem. Tradução Julieta Jerusalinsky. 8. ed., Petrópolis: Vozes, 2009.

MARCELLINO, Nelson Carvalho. Academias de ginástica como opção de lazer. Bras. Ci. e Mov. Brasília v. 11 n. 2 p. 49-54 Junho 2003.

MASCARENHAS, Fernando. Lazer e utopia: limites e possibilidades de ação política. Movimento, vol. 11, núm. 3, septiembre-diciembre, 2005, pp. 155-182 Escola de Educação Física Rio Grande do Sul, Brasil.

MAURE, Rafaela Domit. Atividades adaptadas nas aulas de educação física: resgatando o respeito às diferenças individuais. Programa de Desenvolvimento Educacional, Cerro Azul: Universidade Tecnológica Federal do Paraná, 2016.

OPASCHOWSKI, Horst W.. Einführung in die Freizeitwissenschaft. 2. Aufl., Opladen: Leske + Budrich, 1994.

OPASCHOWSKI, Horst W.. Pädagogik und Didaktik der Freizeit. 2. Auflage, Opladen: Leske + Budrich, 1990.

OMS. Organização Mundial da Saúde, CIF: Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde [Centro Colaborador da Organização Mundial da Saúde para a Família de Classificações Internacionais, org.; coordenação da tradução Cassia Maria Buchalla]. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo – EDUSP; 2007.

ORRÚ, Sílvia Ester. Aprendizes com autismo: aprendizagem por eixos de interesse em espaços não excludentes. Pretrópolis, RJ: Vozes, 2016.

ROTTA, Newra Tellechea; OHLWEILER, Lygia; RIESCO, Rudimar dos Santos (Org.). Transtornos da Aprendizagem. Abordagem Neurobiológica e Multidisciplinar. 2. Ed. Porto Alegre: Artmed, 2016.

RUTTER, Michael.; SCHOPLER, Eric. Classification of pervasive developmental disorders: some concepts and practical considerations. Journal of Autism and Developmental Disorders. December 1992, Volume 22, Issue 4, pp 459–482, 1992. Disponível em: https://link.springer.com/article/10.1007/BF01046322

SCHULZE, Gerhard. Die Erlebnisgesellschaft: Kultursoziologie der Gegenwart. Frankfurt am Maiz:: Campus, 2000 (Studienausgaben).

TSUTSUMI, Olívia; CRUZ, Viviane da Silva; CHIARELLO, Berenice; BELASCO JUNIOR, Domingos; ALOUCHE, Sandra Regina. Os benefícios da natação adaptada em indivíduos cm lesões neurológicas. Revista Neurociências, v. 12, nº. 12, p. 82-86, abr./ jun., 2004.

VALENTIN, Bruno: Geschichte der Orthopädie. Unveränd. Nachdruck der 1. Aufl. (1961), Stuttgart 1991.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Atlas on Global Resources for Persons with Intellectual Desabilies. A right to health perspective, 2007. Disponível em: www.who.org.

WUNDER, Michael; SIERCK, Udo. Sie nennen es Fürsorge : Behinderte zwischen Vernichtung und Widerstand. Berlin 1981.




DOI: https://doi.org/10.1000/riec.v3i2.172

DOI (Ferreira et al.): https://doi.org/10.1000/riec.v3i2.172.g123

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista Interdisciplinar Encontro das Ciências - RIEC | ISSN: 2595-0959 |

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Interdisciplinar Encontro das Ciências - RIEC | ISSN: 2595-0959 |

Centro Universitário Vale do Salgado

Rua Monsenhor Frota, 690

Bairro Centro | CEP: 63430-000 | Brasil, Icó-Ceará

Telefone: +55 88 3561-2760

E-mail: riec@fvs.edu.br