VULNERABILIDADE E O TERRITÓRIO DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE: RECONSTRUÇÃO DE PRÁTICAS PARA A PSICOLOGIA?

Emylio César Santos da Silva, Mary Jane Paris Spink, Lia Maristela da Silva Jacob, Ana Christina Martins Uchoa, Priscila França de Araújo

Resumo


O reconhecimento internacional da Atenção Primária à Saúde (APS) como fundamento para um novo modelo de cuidados de saúde levou a mudanças na teoria e na prática de várias profissões da saúde e bem-estar, entre elas a psicologia. No Brasil, a APS foi estabelecida como porta principal dos serviços ao usuário do Sistema Único de Saúde (SUS) e desenvolvida pela Estratégia Saúde da Família (ESF). Apesar da notável expansão do papel das psicólogas na APS nos municípios de todas as regiões brasileiras, ainda são poucos os estudos que se dedicaram a abordar a questão relativa à formação e atuação profissional nesta conjuntura. Este artigo aborda aspectos do contexto da formação e atuação profissional das psicólogas brasileiras para a atuação nas das políticas públicas de saúde do SUS, especialmente no território da Atenção Primária, em grande parte marcado pela miséria, desigualdade social, econômica, cultural e vulnerabilidade em diversos aspectos.


Texto completo:

PDF

Referências


ARAGAKI, S. S ; SPINK M.J; BERNARDES, J.S. La Psicología de la Salud en Brasil: transformaciones de las prácticas psicológicas en el contexto de las políticas públicas en el área de la salud. Pensamiento Psicológico, v.10, n.2 p.74, 2012.

AYRES, J.R.C.M. et al. Vulnerabilidade e prevenção em tempos de Aids. In: BARBOSA,R; PARKER,R. Sexualidade pelo avesso: direitos, identidades e poder. Relume Dumará, Rio de Janeiro, p. 50-71,1999.

BARDAGI, T.M. et al. Avaliação da Formação e Trajetória Profissional na Perspectiva de Egressos de um Curso de Psicologia. Psicologia Ciência e Profissão, v. 28, n.2, p.304-315,2008.

BRASIL. Constituição (1988). Emenda Constitucional nº 39, de 19 de dezembro de 2002., da Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988, São Paulo, 31. Ed, 2003.

BRASIL. Ministério da saúde. Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saúde. O SUS de A a Z: garantindo saúde nos municípios, Brasília, 3. Ed , 2009.

CAMPOS, R.C. Avaliação psicológica em contextos clínicos: três breves notas epistemológicas com relevância para a formação de psicólogos. Revista Educação Temas e Problemas. nº 17, p. 42-54, 2017.

DANTAS, C.M.B; OLIVEIRA, I.F. e YAMAMOTO, O. H. Psicologia e pobreza no Brasil: produção de conhecimento e atuação do psicólogo. Psicologia & Sociedade. v.22, n.1, p.104-111, 2010.

DELOR, F; HUNERT, M. Revisiting the concept of “vulnerability”. Social Science & Medicine, n.50, p.1558, 2000.

DIMENSTEIN, M.D.B. A cultura profissional do psicólogo e o ideário individualista: implicações para a prática no campo da assistência pública à saúde. Estudos de Psicologia,v.5, n.1, p. 95-122, 2000.

DIMENSTEIN, M.D.B. Conversando com o psicólogo. Sem medo de repensar. Entrevista. Psi Jornal de Psicologia, São Paulo, jun./jul., 2009.

DIMENSTEIN, M.D.B. O psicólogo nas Unidades Básicas de Saúde: desafios para a formação e atuação profissionais. Estudos de Psicologia, Natal; v.3, n.1, p. 53-81, 1998.

DIMENSTEIN,M.D.B. O Psicólogo e o Compromisso Social no Contexto da Saúde Coletiva. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 6, n. 2, p. 57-63, jul./dez de 2001.

FOUCAULT M, MACHADO, R. Microfísica do poder. Graal, Rio de Janeiro, 26.ed, p.295, 2005.

FRANÇA ,A.C.P, VIANA ,B.A. Interface psicologia e programa saúde da família – PSF: reflexões teóricas. Psicologia Ciência e Profissão, v.26, n.2,p. 246-257, 2006.

GOMES, N.N; PESSANHA, L; MITCHELL, P.V. Acesso à alimentação como direito social no Brasil: implicações para a sociedade e para o sistema nacional de informações. Ser Social (UnB), n.12, p.116-144, 2010.

LANE, S.T.M. O que é psicologia social. Editora Brasiliense. 1ªed eBook, 2017.

MACEDO, J.P; DIMENSTEIN, M.D.B. Expansão e Interiorização da Psicologia: Reorganização dos Saberes e Poderes na Atualidade. Psicologia: Ciência e Profissão,v.31, n.2, p.296-313, 2011.

MANN, J; TARANTOLA; D.J.M; NETTER, T. Como avaliar a vulnerabilidade à infeção pelo HIV e AIDS. In: PARKER, R. A AIDS no mundo. Relume Dumará, Rio de Janeiro, p. 276-300, 1993.

MENDES, E.V. As Políticas de Saúde no Brasil nos anos 80: A conformação da reforma sanitária e a construção da hegemonia do projeto neoliberal. In: Distrito sanitário: o processo social de mudança das práticas sanitárias do Sistema Único de Saúde. Hucitec, São Paulo p. 19-92, 1993.

PAIM, J. S. Saúde Política e Reforma Sanitária. Fred Lima, Salvador, p. 447, 2002.

SILVA, E.C.S, BOMFIM, Z.A.C. Os caminhos da Psicologia Comunitária na América Latina. Psicologia & Sociedade, v. 25, n.1, p. 251-253, 2013.

SPINK, M.J.P; MATTA, G.C. A Prática Profissional Psi na Saúde Pública: configurações históricas e desafios contemporâneos. In: SPINK, M.J.P. (Org.) A Psicologia em Diálogo com o SUS: prática profissional e produção acadêmica. Casa do Psicólogo,São Paulo, 1 ed, v. 1, p. 25-51,2007.

TEDIM, F. O contributo da vulnerabilidade na redução do risco de incêndio florestal. In: LOURENÇO, L. F; MATEUS, M. A. Riscos naturais, antrópicos e mistos. Homenagem ao Professor Doutor Fernando Rebelo. Departamento de Geografia, Faculdade de Letras, Universidade de Coimbra, p.653-666, 2013.

WISNER, B. et al. At Risk, Natural Hazards, People’s Vulnerability and Disasters. Routledge, London, p. 11, 2004.




DOI: https://doi.org/10.1000/riec.v1i3.45

DOI (PDF): https://doi.org/10.1000/riec.v1i3.45.g25

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Interdisciplinar Encontro das Ciências - RIEC | ISSN: 2595-0959 |

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Interdisciplinar Encontro das Ciências - RIEC | ISSN: 2595-0959 |

Centro Universitário Vale do Salgado

Rua Monsenhor Frota, 690

Bairro Centro | CEP: 63430-000 | Brasil, Icó-Ceará

Telefone: +55 88 3561-2760

E-mail: riec@fvs.edu.br